Romantica ou não eis a questão!

Pronto agora é que vou mesmo ser dúbia nos meus escritos, guerreira assumida e consciente disso a falar sobre romantismo.
Alguém como eu que prefere o vilão da história ao cavaleiro de cavalo branco e capa esvoaçante a falar sobre atitudes românticas.
Tudo isso é verdade, tal como também o é facto de eu achar certas atitudes extremamente românticas e de gostar delas. De as realizar e de as receber.
O romantismo tem vindo a morrer aos poucos no tempo em que vivemos, por falta de tempo, porque agora o quando está depois do porque, ou mesmo porque nesta era de isolamento e de solidão as pessoas vivem tão carentes uma das outras, por motivos que agora não dizem respeito a ninguém, que se descuidam da conquista, de ter pequenos gestos que arrancam sorrisos a quem são destinados.
Faz falta e necessitamos de voltar a alguns velhos hábitos que muitos acham retrógrados mas que para mim mantém o equilíbrio no que é ser humano e na sanidade de se ser vivo.
Tudo agora é vivido a 1000 a hora, as pessoas dizem olá o meu nome é fulano vamos para a cama os dois? E não é só os homens a ser assim, as mulheres fazem o mesmo em muito maior escala.
Onde esta o tempo de conhecimento, conquista… o lado romântico da coisa?
Não sou hipócrita sem muito bem que as vezes sexo por sexo faz bem… mais faz falta. Mas as pessoas banalizaram isso de uma forma absurda.
E não é só quando se conhecem é depois quando já estão juntas, casadas, amantizadas, como namorados… toma-se as coisas por certas, descuida-se da relação e ela morre definhada pela ausência e cuidado como se de uma flor se trata-se.
Faz-me confusão as minhas amigas que já estão anilhadas a forma como se anulam porque já usam um pedaço de arame no dedo. Como se deixam de cuidar, de se amar, de se tratar porque “não precisam” e depois quando a merda arrebenta no ventilador sabem vir ter com a solteira, com a sozinha, a mal amada (eu claro que tenho tão mau feitio que não agarro ninguém) perguntar porque levaram uma parelha de c@rnos porque foi que isso aconteceu. Dá-me vontade de lhes dizer “porque sua parvalhona da caca, existe alguma mulher ai que não acha que o anormal do teu marido é a última cola do deserto e que são mulheres de muita sorte porque ele olhou para elas. Não elas fizeram-no suar, correr atrás, conquista-las enquanto na realidade é ele que esta apanhado na rede da aranha que nós mulheres quando queremos sabemos tecer tão bem.”
Dá vontade mas não digo, cego é aquele que não quer ver e existe muito invisual neste mundo benza Deus.
Sei com uma certeza absoluta que muito provavelmente me iria rir na gargalhada se um Don Juan qualquer me viesse com os chavões tipo que tão usados foram e que sempre me deram vontade de vomitar… mas gosto quando alguém me rapta para jantar… me rouba um beijo… ou então me diz como um velhinho me disse um dia… Bendita a mãe que pôs esta filha no mundo. È irresistível uma coisa assim tive de lhe dar um beijo repenicado na bochecha… e agradecer.
Sim ao romantismo sentido… sim aos actos que se fazem porque se sentem… faz falta ser assim as vezes e sentir faz melhor ainda.
Porque no fundo bem lá no fundo todos nós gostamos de ser mimados e o romantismo é isso mesmo, uma forma de mimar e ser mimado!

Advertisements

Posted on November 13, 2010, in Uncategorized. Bookmark the permalink. 16 Comments.

  1. O romantismo TAMBeM é uma forma de respeitar o parceiro…Só por isso já vale a pena!

    Like

  2. Concordo M. Mas infelizmente foi banalizado

    Like

  3. Romantismo é gostar e surpreender,mas está fora de moda…Agora o pessoal curte…

    Like

  4. O romantismo tem muito que se lhe diga.
    Em tempos idos considerava eu o romantismo uma série de clichés e de actos pré-defenidos.
    Tambem achava que eu não seria romantico.
    Ao longo do tempo, e depois de me terem dito que eu seria um romantico incorrígivel percebi que o romantismo é apenas um estado de espirito e que se pode expressar dos modos mais diferentes possíveis.
    e complementando um comentário até uma curte pode ser romantica, dependendo sempre do espirito subjacente.
    Beijos sentidos

    Like

  5. Tilia, a curte também é bom, tal como o sexo puro e duro. Infelizmente as pessoas são é de modas e de extremos.
    Faz falta manter os velhos habitos junto com os novos

    Like

  6. Mega o romantismo não ter de ser cliché… tem de ser sentido… unico e especial.
    Beijo a sorrir

    Like

  7. Nunca fiz,nem quero fazer,sexo puro e duro!E também não sou,nunca fui e,espero nunca ser,de curtes…Nessas questões sou de extremos,no caso,de afectos!Sem afecto nem um beijo consigo dar…
    Beijo afectuoso*

    Like

  8. Confesso Tilia que já fiz sexo puro e duro, pelo prazer e pela intensidade. Confesso também que não repetia não o fazia não acho bom, não vejo interesse.
    Gosto do afecto, do toque do olhar do beijo mas com sentimento, com entrega.
    Entendo como te sentes.
    Beijo carinhoso

    Like

  9. Aproveito este espaço para discordar da ti Tilida.
    Em tudo as coisas podem ser vistas de diversos prismas.
    Tu consideras que para ti o sexo é apenas uma consequencia de um afecto, o transformar um sentimento numa expressão carnal.
    Nada terei contra mas…
    Por vezes o corpo necessita de se aliviar existem tensões que apenas e só o sexo conseguem libertar e tal como uma sessão de ginástica uma sessão se sexo pode fazer efeitos maravilhosos.
    Mas entende existem duas coisas diferentes, fazer sexo e fazer amor e embora possam parecer identicas são completamente diferentes mas cada uma delas extremamente gratificante ao seu modo.
    Tudo isto te digo fruto da minha experiencia.
    Mas é importante é nunca misturar os sentimentos e nunca funciona se uma das partes fizer sexo e a outra amor.
    Teem sempre que as duas partes fazer a mesma coisa.
    Termino com um conselho se puderes experimenta e na minha opinião és bem capaz de gostar mas como em tudo para ser desfrutado com conta peso e medida.
    Um beijo sem convite (por agora?…)

    Like

  10. Concordo contigo Mega, o principal problema é não haver sinceridade não chamar o boi pelos nomes.
    Sexo é sexo amor é amor, e mesmo entre casais que se amam pode existir os dois.
    Quando somos sinceros com o outro e com nós mesmos as barreiras não são cruzadas e não se sofre inultimente.
    Não fazer confusão nos sentimentos e ser sinceros com o que se diz é meio caminho andado para se viver a vida muito melhor!
    E nada como experimentar… quando assim se acha necessário.
    Beijo

    Like

  11. O Mega passou-se…
    Quer que eu experimente o quê?
    Utena tu ajuda-me…
    Beijinhos em estado de choque*

    Like

  12. 😀 Não posso deixar de sorrir a esse pedido de ajuda!
    Vá Mega explica-te…
    Só após isso poderei ou não oferecer a minha ajuda a ti Tilida

    Like

  13. Faço minha as palavra da Utena:

    “Sexo é sexo amor é amor, e mesmo entre casais que se amam pode existir os dois”.

    Tudo o resto é uma questão de respeito: pelos outros e por si…

    Mas respeito (lá está!) quem pensa diferente…

    Like

  14. Não fiques em choque Tilida e como perguntastes também no meu espaço e como a resposta será bem pessoal lá terás a tua resposta.
    Beijo esclarecedor

    Like

  15. M. o problema hoje em dia é mesmo falta de respeiti«o.
    🙂

    Like

  16. Mega,
    Tu esclareçe lá isso bem vá
    Beijo

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

loudness

magazine

Pseudo

Para o que der e vier!

O estranho mundo de Dom

...um mundo igual a tantos outros ... ou não !

Divas em Apuros

Um espaço de convívio para verdadeiras Divas.

%d bloggers like this: