Sindroma dos desgraçadinhos

Talvez a culpa seja minha, talvez esta mania de ser guerreira sem causa, de arregaçar as mangas e partir para luta de cabeça erguida e nariz empinado um dia me vá morder o rabo, mas a verdade é que me enerva sobremaneira aturar esta cambada de gente com o “Sindroma do desgraçadinho”.
Ou então talvez seja culpa do fado, da palavra “saudade”… de sermos sempre os fracos e oprimidos que enraíza desde de cedo nas pessoas que os desgraçadinhos saem sempre vencedores porque têm sempre por trás alguém que avança a frente da multidão de peito aberto e arma em riste.
Não sei o que é… sinceramente NÃO QUERO SABER! KANERVOS (como alguém que adoro costuma dizer!), ando farta, sinceramente? Não há cú que aguente esta geração que ultimamente abunda por aí tal qual “papoilas saltitantes!” (sem ofensa aos benfiquistas), de coitadinhos, desgraçadinhos, perseguidos e afins.
A sério se não se vêem como os acima descritos e não confiam no que eu digo (o que sublimo desde de já achar muito mal essa descrença em mim!), façam um teste… simples e sem hipótese de erro.
Tentem um dia destes, expor um problema vosso, grave ou não, verdadeiro ou assim a assim, a outrem e depois digam-me se não vai haver uma tentativa da parte dessa pessoa de contra argumentar com um dele, sem se importar sequer em ajudar, ouvir ou mesmo acompanhar o que dizem com um simples hum hum que as vezes é o suficiente.
A sério, os desgraçadinhos sem causa, vieram substituir aos poucos os rebeldes sem causa do nosso tempo (ou antes… não precisam de saber a minha idade J) mas pelo menos esses lutavam por algo, se valia a pena ou não, isso é o de menos importância.
A verdade é que ultimamente a quantidade de vezes que ouço alguém dizer que está cansado, que não aguenta os problemas, que esta em stress, que é muita pressão, deixa-me a mim em estado de ebulição contínua…
Apetece-me dar uma de louca… daquelas de cabelos desgrenhados e tudo e sair a gritar com toda a gente:
“Querem o cú lavado com água de rosas também? Se estão cansados descubram a causa e trabalhem numa solução, a pressão é muita? Assumam isso e tenham prioridades, não aguentam os problemas? Façam como eu e lembrem-se que existe sempre alguém pior… e a solução desses mesmos problemas já nós a sabemos não temos é c@lhões suficientes para assumir o que é necessário fazer para mudar isso!”
Já imaginaram? Ia ser lindo… umas férias no Júlio de Matos estavam garantidas de certeza…
E depois temos aquelas finas flores que eu adoro, adorados pelos chefes que nos maltratam o juízo a torto e a direito, que têm muito trabalho, que não aguentam mais que isto, que aquilo e no fim só falta irem buscar a vaselina para o enrabanço ser mais suportável… e depois o que dá? Acabam por não fazer uma tarefa bem-feita e quem limpa o rasto de trampa pelo caminho é quem diz não! Mas tem suficiente consciência para não deixar a equipa ficar mal vista em relação a ninguém.
Em relação às abéculas acima descritas, confesso, que já me livrei delas… onde estou… o sonho que sigo não me sujeita a ter que lidar com isso mais que 8 horas por semana da minha vida… mas as outras a sério que ando em estado de tolerância mínima a chegar ao ponto de ficar abaixo da linha do mar com eles… e se eu estoiro vai ser feio de se ver… Aliás muito feio!
Por isso ando na fase de contar até mil quinhentos e sessenta e nove, troca o passo e volta ao inicio… mas a sério não estiquem a corda, aprendam a lutar pelo que querem e no fundo? Bem no fundo? Larguem-me a put@ da labita!
Que eu não tenho filhos não tenho agora que aturar os filhos dos outros!

Advertisements

Posted on January 31, 2011, in Uncategorized. Bookmark the permalink. 6 Comments.

  1. Não sei porquei ao ler o teu texto lembrei-me do António Barreto:)

    Fizeste uma boa análise do estado da nação. Levas jeito:)

    Like

  2. Do Barreto? Possa… M. isso é que foi elogio…
    Não estava a pensar na nação mas de facto tens razão resume um pouco a isto mesmo… Triste!
    🙂
    Beijinho

    Like

  3. Isso qd os desgraçadinhos começam a falar dos problemas que lhes assolam a alma, o melhor mesmo é interrompê-los e começar a falar das propriedades da vaselina e das promoções de strapon e mega-dildos que estão a fazer na sexshop lá da zona. E dps dar numa de pseudo-hiper-mega intelectual e terminar com “Digamos que… Isso te fará relativizar a dimensão dos problemas por uns tempos”

    Like

  4. Anónimo/a já me fez rir às gargalhadas a pala disso… a minha imaginação e terrivel…

    Like

  5. Em atraso porque?

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

loudness

magazine

Pseudo

Para o que der e vier!

O estranho mundo de Dom

...um mundo igual a tantos outros ... ou não !

Divas em Apuros

Um espaço de convívio para verdadeiras Divas.

%d bloggers like this: