O chamado sentimento de posse

Hoje em conversa com um “amigo bloguista” que me reclamava uns comentários sem sentido que lhe tinham deixado no blogue ainda para mais anónimo demos por nós a falar em sentimento de posse.
Confesso ser dos sentimentos com o qual menos paciência tenho para lidar, junto com este o ciúme faz para mim a chamada parelha do Inferno.
Ter pessoas que se acham donos de nós faz-me alergia e lido muito mal com isso, até porque sou incapaz de o ser.
E se formos a ver o sentimento de posse não é algo que esteja limitado a um sentimento entre casais… pelo contrário o sentimento é tão doentio que se estende a família, amigos, colega de trabalho… alunos. E espantem-se conhecimentos anónimos de internet… seguidores de blogue ou amigos virtuais nas chamadas redes sociais.
Sou nova nestas andanças, ando nisto há menos de um ano, mas já reparei em coisas que só não me fazem literalmente saltar a tampa porque o fantástico desta coisa da net é a capacidade de bloquear certas entidades alienígenas que por aqui pupilam.
Mas já dei por exemplo pela presença no meu espaço de pessoas que apenas se ligam a ele porque me viram ou me leram em comentários em outros locais e que vêem atrás verificar a concorrência.
Nem no mundo real permito que me exponham a isso muito menos no mundo virtual onde com um simples clique se pode bloquear tal forma de agir.
No entanto não deixa de ser assustador viver e presenciar cenas de literal posse entre personagens individuais que se cruzaram por mero acaso nas páginas da vida (foi profunda esta agora!)
Coisas como por exemplo “agora que a/o conheces já não me ligas nenhuma!”, ou “ és minha amiga/o há mais tempo que ele/a!”dão-me arrepios e acreditem que não são dos bons.
Não consigo deslindar o que se passará na cabeça dessa gente… até que ponto não teremos sido nós a gerar esse tipo de atitude ou o que levará as pessoas a tê-lo no entanto e aí falo inevitavelmente por mim quando gosto ou quando me agrada a companhia de alguém não deixa de o fazer porque aparece alguém novo na nossa vida ou na dela.
Pode até haver um leve afastamento normal no período de conhecimento e no adaptar de uma situação nova… pois quando entra alguém novo na nossa existência trás sempre ideias novas ou novos temas de conversa mas não deixamos de nos lembrar de quem gostamos e de sentir falta da sua presença.
Posso até dizer que um dos meus mais normais comportamentos quando acontece a alguém que gosto é de dar espaço para se possam conhecer… para que possam fomentar e cimentar a relação… não porque me sinto posta de lado apenas porque a minha constante presença pode criar um constrangimento que vai fazer com que as coisas não fluam normalmente entre os dois.
E depois em que manual está escrito que os meus amigos têm de ser os teus? Ou que alguém apenas pode ter um grupo de amigos que tudo divide entre si? Então e o abranger das influencias que diferentes personalidades pode ter na nossa vida?
Entre este sentimento de posse outro que não entendo é o dos casais… o meu amigo tem de ser o teu… não podes relacionar-te com alguém que não conheço… quando muitas vezes é esse ponto de abrigo que faz com que a relação funcione que é para nós um escape da rotina e do reme-reme do dia-a-dia.
Sem contar que depois temos o ciclo vicioso que se associa a esse sentimento…
Sentimento de posse àCiúmes àDiscussão à Ideia de traição à Separação.
Sem uma quebra no meio é o caminho inevitável… sem apelo nem agravo.
Mais que isso depois temos a perda de identidade que se associa a quem cede e quebra a este ciclo por medo… de estar sozinha /o ou de ser abandonado/a.
Por isso é algo que se sinto… se detecto a mínima tentativa de alguém tentar o deitar para fora é cortado pela raiz. O sentimento e a minha relação com essa pessoa por mais que me custe ou incomode.
Porque no fundo nada tem mais valor que a sensação de nos sentirmos bem e plenos com nós próprios.
E se pertencemos a alguém esse alguém somos nós sem sombra de dúvidas.
E como diz um certo anúncio de um leite que até não é mau de todo:
“ Se eu não gostar de mim quem gostará?”
Namasté!
Advertisements

Posted on May 3, 2011, in Uncategorized. Bookmark the permalink. 22 Comments.

  1. Utena,

    É tão ridícula essa situação que até custa a acreditar.
    Já na vida real, enfim, tem que se lhe diga, mas na NET?…
    Serão pessoas tão solitárias que se agarram a qualquer eventual “tábua de salvação”?
    Há solidões por aí gravissimas, não nos podemos esquecer disso!
    Beijinho.

    Like

  2. Teresa,

    Solidão é uma coisa sufocar alguem é outra.
    Eu sei que a solidão mata mas isto só afasta.
    O que acontece são disturbios emocionais graves que têm de ser trataos.
    Beijinhos

    Like

  3. Utena, estou até agora sem palavras. Concordo com o teu comentário ao da Teresa, acho que se trata de pessoas com distúrbios emocionais.
    🙂

    Beijo*

    Like

  4. Ia-te perguntar se era a Teresa a anónima…lol

    isso são coisas de mulheres.Mais que tomar posse é tomar pose…

    Somos assim…lol Não ligues e acho bem que defendas os teus amigos…Repara: TEUS amigos…

    percebeste?…lol sei que sim:)

    Like

  5. Olívia,
    O problema é mesmo esse… mas nós termos de levar com isso é que não!
    Beijinhos

    Like

  6. M.
    Eu defendo sempre os meus amigos e as pessoas que admiro e gosto.
    A Teresa não é anónima é mulher de dar a cara sempre pelo menos é o que eu acho. Tal como tu!

    =)
    Kiss

    Like

  7. De gente mesquinha está o mundo cheio…a solução? Ser superior a elas e ignorar tudo o que venha desse lado!!

    Like

  8. Solidão profunda, não deixa espaço para estas palhaçadas. Isto é reenvindicação de protagonismo, isso sim. E não, não há pachorra

    Like

  9. Nokas,
    Eu coloco para trás das costas tenho pena é de não puder ter um clique de botão para os bloquear =)
    Beijinho

    Like

  10. Luísa,
    Este é um comentário mesmo à tua medida.
    Mesmo! Não há pachorra e eu perco a minha rápido rápido

    Like

  11. 100 Pretensões;

    =)
    Beijinhos

    Like

  12. Pois eu ando neste meio há mais tempo, e acredita que já vi e vivi situações muito caricatas. Uma coisa é termos uma convivência descomprometida por aqui, outra é pensarem que temos algum tipo de obrigação só porque te visitam ou te comentam. Enfim…

    Beijocas!

    Like

  13. Tu escreves e nada deixas por dizer. Ponto. Do melhor ;)***

    Like

  14. Rafeiro,
    O que assusta é que se acham mesmo no direito e não abrem os olhos ao ridiculo da situação.

    Beijinhos

    Like

  15. Sonhadora,
    Apenas digo o que penso =)
    Obrigada
    Beijinhos

    Like

  16. Tou com a caríssima Luísa Lopes. Síndrome de Attention whore!

    Like

  17. Sr. Foxos,
    Tenho pouca paciência para isso… querem atenção? Comprem um urso de peluche para se entreterem
    =)

    Like

  18. Rosinha,
    E tu minha…
    =)

    Like

  19. Isso existe mesmo, aqui?
    Acredita que até fiquei parva (mais ainda)
    Será solidão? Ou parvidade mesmo?
    Enfim…há gente para tudo, até aqui

    Beijinho

    Like

  20. Violeta,

    Antes de mais bem vinda, sentimento de posse existe em todo o lado.
    Seja carencia ou parvoice é um estado que é dificil de lidar!
    Beijinho

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

loudness

magazine

Pseudo

Para o que der e vier!

O estranho mundo de Dom

...um mundo igual a tantos outros ... ou não !

Divas em Apuros

Um espaço de convívio para verdadeiras Divas.

%d bloggers like this: