Nullam Phasellus

tumblr_lv95k5sopm1qbc57fo1_250

Ando há uns dias a matutar numa realidade que nos assola nos dias que correm, não é bem nos dias que correm, mas ultimamente parece que se está a tornar o pão de cada dia… ponderei se me deveria referir a isso ou não sem desencadear a 3ª guerra mundial, (as pessoas tendem a enfiar carapuças até aos tornozelos) e à pouco, depois de ter recebido um elogio acabei por me decidir a fazê-lo, não pelo elogio em si, mas pelo facto de ser raro hoje em dias as pessoas serem atendidas desta maneira.

Diz uma cliente que entrou pela primeira vez na loja:

“A senhora é muito simpática e disponível, hoje em dia isso é raro. Maior parte das pessoas nem olham para o cliente e quando olham é só para indicar algo e voltam os olhos para o telemóvel”

Podem retorquir que sendo um negócio meu, é normal que assim seja mas deixem que vos diga que sempre fui assim. Um cliente é aquele que faz a casa manter-se aberta… se a casa está aberta a casa factura, se factura o patrão recebe e se o patrão recebe contas são pagas… inclusive à dos pobres e maltratados quase escravos, funcionários (sim estou a ser irónica).
Hoje em dia nenhuma empresa está livre de fechar, nem bancos, nem multinacionais, nem a peixaria da D. Mariquinhas.

Pior hoje em dia muitas casas fecham pelo mau empenho e pela falta de profissionalismo que abunda de uma forma tão galopante que quase nos viola as meninas dos olhos.

Ontem pela tarde, fui ao banco aqui ao lado, toda a gente conhece o meu amor avassalador pelo sistema bancário do nosso país, já no dia anterior e porque eu evito ao máximo o contacto com a espécie, tinha lá ido depositar um valor na máquina… estive mais de 1 hora a espera e porquê? Porque não havia sistema… acontece podem dizer, claro que acontece mas não fosse a aventesma que estava a auxiliar os clientes ser uma besta com os homens e comer as miúdas com os olhos, o tempo de espera seria bem menor… resultado? Tanto a criatura mexeu na máquina que lixou com f aquela merda… o que aconteceu? Tive ontem de levar (salvo seja) com os amigos e deslocar-me à caixa… era mais ou menos 14h50 da tarde e para os moços já devia ser 15h porque nenhuma daquelas almas atendeu o telefone que tocava… passou de secretária em secretária tal qual bomba relógio sem que ninguém o atendesse… confesso que tive quase para o atender eu e dizer:

“Não…o pessoal aqui já não está a serviço… está tudo a coçar a puta da micose, cansados das 5h30 que trabalharam… que se na realidade descontarmos… café…conversa…galinhagem e outras merdas que tais se resume a 3h”

Bufei juro que bufei, mas certas batalhas estão perdidas a nascença e nem valem a pena serem travadas. Não existe brio hoje em dia, o profissionalismo é algo que está extinto e amor a camisola? Isso é só uma palavra cara que durou até ao fim dos anos 90. É uma vergonha!

Não há trabalho de equipa, se um filho da puta do telefone toca e o colega não pode atender atende o outro… é a lógica da batata benza Deus! Não! Agora a moda é subintitular a falta de competência com a crise… fecha uma empresa foi a crise… fica uma população sem a única instituição bancária para levantar a pensão é a crise… fazem barulho e são chamados à responsabilidade… despedem-se! Tamanha é a crise não é?

Vergonhoso…

Sempre primei por saber fazer de tudo por onde passei… do empregado de limpeza a cada uma da secção que antecedia e procedia a minha…. Mesmo quando ouvia bocas do género:

“Era o que faltava saber mais… quanto mais sabes mais trabalhas”, “Queres agarrar o mundo com as pernas”, “Deves pensar que ganhas mais por isso”

Nunca ganhei mais por isso meus amigos, dos patrões tive reconhecimento, dos chefes tive alivio quando me vim embora, mas também eu nunca fui fácil de engrupir (não é fácil quando sabes ao certo o que eles fazem 😉 ), dos clientes tive lágrimas quando me despedi e muito mimo e atenção nos anos que estive com eles… e abraços quando nos reencontramos.

Tenho orgulho de dizer que sou proactiva e polivalente mas mais que isso tenho orgulho em o dizer que sempre o fui… sempre coloquei o interesse das empresas onde trabalhei e dos seus clientes há frente dos meus e não me arrependo um cú disso!

O resto? O resto são Drs de faz de conta, meninos grandes que ainda jogam playstation quando chegam a casa, enquanto reclamam ás mãezinhas o quanto são injustamente ignorados sobre as suas qualidades profissionais!

Namasté _()_

Advertisements

Posted on May 4, 2017, in Uncategorized. Bookmark the permalink. 2 Comments.

  1. Concordo tanto! Hoje em dia isso acontece 95% das vezes. Não há brio no trabalho, é como se estivessem ali quase a mandar um cliente para um sítio, não sabem ser bem educados, imensas coisas que não deviam de acontecer.
    Durante os 3 anos que trabalhei com o público, recebia elogios como tu, e digo-te que isso é muito bom. É um orgulho ser bem educada, se estou num sítio para trabalhar, ainda mais com público, então temos de ser profissionais. Não para fingir que se trabalha e estar na conversa. Enfim…
    Beijo*

    Liked by 1 person

    • É um facto.
      Mais ainda é achar que o trabalho ao balcão qualquer um faz, sem preparação ou formação.
      É necessário mudar mentalidades e mais que isso mudar posturas.

      Obrigada pelo comentário e por passares por cá

      Beijinho

      Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

loudness

magazine

Pseudo

Para o que der e vier!

O estranho mundo de Dom

...um mundo igual a tantos outros ... ou não !

Divas em Apuros

Um espaço de convívio para verdadeiras Divas.

%d bloggers like this: