Life Support (não sou adepta de estrangeirismos mas aqui até que se adapta)

My PostConfesso-me observadora, vulgo cusca da vida alheia, mas não no mau sentido. Gosto de observar as pessoas, de imaginar o que existe por detrás de um sorriso, o que os leva a apressar o passo… o que respondem do outro lado do telefonema. Talvez seja este meu lado escriba…ou talvez seja uma qualquer doença mental ainda não descoberta, mas desde de que me lembro de mim como ser pensante, que é algo que gosto de fazer.

Sou daquelas que para e olha e muitas vezes nem vê o retrato que se me apresenta…estou apenas a olhar com o “olho imaginativo da mente”… com o AJÑA… e ultimamente o que vejo é que não se vive…sobrevivesse.

Em todo o lado o pensamento é sobrevivência… arrastamento da nossa vida até dois e apenas dois dos 7 dias semanais… 15 dias ou no máximo 1 mês dos 365 dias ou dos 12 meses anuais… 4 horas no máximo das 24 diárias. Por todo o lado, vivesse em função das férias, do fim-de-semana, do fim do dia… do final do mês. A própria rádio em cada interrupção da programação conta os dias de forma decrescente para liberdade efémera de um fim-de-semana bacoco e infértil.  Que tristeza.

Que tristeza viver num plano onde a felicidade de um povo está assente em miseras horas, onde a realização de um ser é nas horas que falta para o fim-de-semana… desaprendemos a viver, ironicamente aquilo que mais desejávamos… é aquilo que nos está a matar… somos sedentos de mais, mas o que procuramos não nos mata a sede.

Acordar apenas com a felicidade de acordar para mais um dia… ir para o trabalho com a alegria de que o pudemos usufruir… levar o dia com a jovialidade e a abertura do que de novo nos pode trazer e chegar ao fim do dia cientes que fizemos o nosso melhor… será assim tão dificil? E se demos o nosso melhor, porque ficar mais horas… mais tempo num local onde já não estamos a 100% ao invés de aproveitar os últimos raios de sol, nem que seja para 15 minutos de uma pausa onde nos reencontramos… respiramos… e não levamos o mau estar para junto de quem nada tem a ver com isso.

Dar e receber de forma justa… não se pode dar sem contar receber algo em troca… isso é muito bonito mas apenas é idealismo, serve para mim… que continuo a acreditar… que o passo acelerado te vai levar de encontro aos braços de quem amas e não em fuga de uma vida que não desejas…

A felicidade não está em viver, mas em saber viver. Não vive mais o que mais vive, mas o que melhor vive.
Mahatma Gandhi

Namasté _()_

 

Posted on September 6, 2018, in Uncategorized. Bookmark the permalink. Leave a comment.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

OMNIA IN UNUM

Trilhos definidos em horizontes indeterminados. Blog pessoal de Paulo Heleno

loudness

magazine

Pseudo

Para o que der e vier!

O estranho mundo de Dom

...um mundo igual a tantos outros ... ou não !

Divas em Apuros

Um espaço de convívio para verdadeiras Divas.

%d bloggers like this: