Author Archives: paulautena

Juro que tento

Havia um programa ainda a rádio cidade era rádio e não uma radiozita que tinha o nome de “perguntas idiotas, respostas cretinas“, e a realidade é que sempre tive tendência para perder a paciência com perguntas de circunstancia, das óbvias… do género estar 50º e a pessoa dizer: “está calor hoje não está?”, ou estar o diluvio na rua e chegares completamente encharcada e ouvires a típica: “esta a chover?”… acaba sempre por me dar a louca e atirar com uma resposta daquelas que origina o típico: “bolas não precisas responder assim”

Não tenho paciência ponto! Chamem mau feitio… má disposição… atitude de merda… não tenho paciência e mexe-me sobremaneira com o sistema nervoso.

Hoje fui ao ginásio pela manhã e como é habito, vai já para mais de 1 ano, salvo raríssimas excepções vou sempre com a minha mãe… obviamente que houve as perguntas praxe, que são normais e habituais e prezam pela boa educação tipo: “A mãe não veio?”, “Está tudo bem com a mãe?”… que respondi com a educação que mereciam… mas assim que me vieram com a tão óbvia ” então está sozinha?” não resisti e respondi com a expressão muito próxima a que esta acima:

Nós nunca estamos sozinhos… não sabia? (olhei para os lados) eles andam sempre a vigiar… sempre….sempre… se nos distraímos ainda nos agarram para testes e inserem chips…chips pequeninos no cérebro….

Peguei na toalha e sai…

E sim eu que devemos ter paciência, e que é segunda e que devemos ser afáveis e essas cenas todas mas a mim “eles ainda não apanharam para por o chip pequenino”

Namasté _()_

 

Advertisements

Que nunca nos faltem sorrisos

sorrisosTem sido um fim-de-semana atípico, estou habituada a dividir as minhas 11h de trabalho com a minha mãe, que é a minha melhor e mais confidente amiga.

11 horas numa loja é sempre desgastante, infelizmente hoje em dia não se está sempre com clientes e mesmo que tenha se quiser sempre algo para fazer, a verdade é que as vezes paramos e sentimos o peso do silêncio.

Verdade que nunca tive medo da solidão, aliás sou daquelas pessoas que necessita dela de quando em vez, mas é nestas alturas que me bate com mais força a certeza que a nossa raça não nasceu para viver sozinha, somos uma raça merdosa é um facto mas a realidade dos factos é que embora merdosa, servimos para fazer merda em comunidade.

Mais do que isso me capacito diariamente e não apenas nestes dias só, que desaprendemos de sorrir, andamos tão obcecados em viver, em ter, em ser melhor… maior… que descuramos a simplicidade que pode existir numa palavra de apoio, num sorriso cúmplice… num gesto desinteressado de compaixão.

Tenho a sorte de servir avós, mães e netas… de manter e criar clientes por anos a fio… por isso me dói quando as vejo partir ou quando entram na loja abatidas, com o fio da espada sobre a cabeça… hoje mais uma vez passei por isso… pelo murro que nos deixa sem ar no estômago enquanto ouvimos alguém que foi desenganado dizer:

“agora é viver até quando Deus quiser”

Mais que isso é ver o sorriso triste do seu companheiro de vida, enquanto sussurra de forma quase inaudível:

Gosto de a trazer aqui, pelo menos vocês ainda a conseguem fazer sorrir

Fico sempre com a ideia que se a nossa raça soubesse verdadeiramente o bem que faz um sorriso desprendido de interesse, teríamos muito mais qualidade de vida, infelizmente para uma raça tão preocupada em conquistar pela força o seu lugar neste planeta, este desejo será certamente mais um dos meus idealismos.

Pouca coisa é necessária para transformar inteiramente uma vida: amor no coração e sorriso nos lábios.
Martin Luther King

Namasté _()_

 

 

Há dias assim

Sabem aqueles dias que olham para o lado e nada vos faz sorrir? Aqueles dias que o sol brilha e até é domingo e até é suposto não haver motivo para te sentires exausta de tudo… de todos… mas que na realidade nem encher o peito de ar consegues para te aliviar a pressão que sentes na alma…

Aqueles dias que olhas para o lado e só vês mesquinha vontade de viver, sorrisos falsos, vontades frias… vivências inertes… aqueles dias onde metade do mundo acorda para te foder a cabeça e a outra metade nem acorda… naqueles dias que te apetece mandar tudo para o alto e dizer chega!

Estou assim… exausta da falsidade, inerte de vontade e cansada… muito cansada do mundo!

Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe.
Oscar Wilde

Namasté _()_

 

Indignados de sofá e câmera na mão

Hoje pelo face vejo muita revolta pelo que aconteceu na Urban… revolta contra os seguranças e contra a discoteca… revolta pela PSP não ter agido… revolta até contra as vitimas, supostamente puseram-se a jeito! Também vejo piadas (a ironia tem tendência a usar o dia-a-dia na sua insaciável fome) só não vejo indignação por quem filmava de longe e comentava tal qual repórter macabro e nada Fez para impedir tamanha brutalidade… será que 5 minutos de fama chega para que deixemos assumir a nossa capa de indiferença? Nem um grito…um já chega ou um estou a fazer um directo para o face e vocês estão a ser gravados? A sociedade está tão mesquinha e indiferente que mais que assustador chega a ser arrepiante… qualquer dia vai ser normal ser violado ou enforcado em via pública… lá gravações não vão faltar mas acção? Isso é para os outros se chatearem!

Namasté _()_

Estas velha Utena Maria

Coisas que me acontecem e que os astros já deviam saber que vai dar cagada mas mesmo assim esticam a corda:

Estava eu numa caixa de depósitos num banco, não vou dizer o nome, digo só que é vermelho, espanhol e não tem euro antes do nome… quando sai um dos seus funcionários ao telefone com esta conversa:

Mas estás aonde? Aonde? Mas ainda? Eu estou fodido…

Desliga, olha a direito para mim e nem bom dia nem boa tarde… eu confesso que digo as minhas caralhadas e trato por tu os fodasse desta vida mas tudo tem espaço e local pelo que remato:

Bonito… mas muito bonito… onde vai a educação deste país é de louvar… eu já sabia que este banco não vale um chavo mas se dúvidas houvesse agora pela linguagem e postura dos seus funcionários deixou de haver.

O engraçado não foi a resposta, que não houve… as pessoas são animais logo o instinto de perigo continua bem activo foi sim o olhar de lado… sabem aquele olhar de cobarde escondido de rebeldia com ares de arrogância ignorante? Fez-me rematar com um olhar meloso… aka assassino 35 com:

Não me olhes assim amor que merdinhas como tu eu como todos os dias ao pequeno-almoço e com os ossos ainda decoro as fotografias do hall da minha entrada.

E sai… a rir a gargalhada com a ideia bem presente de que ainda me consigo divertir… mesmo quando penso seriamente que estou a ficar velha para a merda da juventude que temos!

Namasté _()_

 

 

Really?

Sabem aquela sensação de acordar e estarmos numa qualquer outra dimensão marada? Um qualquer universo paralelo que nos deixa sem saber o que pensar e com uma vontade louca de mandar tudo para a coisa da tia?

Ultimamente tem sido assim todo o abençoado dia… cada vez que olho para as noticias, que reparo no feed das noticias… que paro 5 minutos do meu dia para escutar as vozes que me rodeiam. O mundo endoideceu… regredimos a época das trevas e com ela não vêm os vestidos de armação… ao menos que sejamos malucos mas bem vestidos.

Cansada, mas mesmo muito cansada desta mentalidade retrograda disfarçada de bem informada, a ignorância abunda de uma maneira que eu ainda não entendi como é que não voltaram ainda os autos da fé!

Apontamos o dedo aos supostos atrasados , manipuladores, castradores “homens de saia” e temos juízes a citar a Bíblia como desculpa para a violência doméstica… uma Bíblia que defende a lapidação para as adulteras mas que defende também ferros em brasa pelo cú acima a homens que não defendem as calças que usem. Juízes que defendem a lei e a ordem de um país que se baseiam na Bíblia para justificar muito provavelmente decisões baseadas na própria testa enfeitada.

Atenção que eu não defendo traição…seja ela qual for… o que me assusta é saber que depois de mais um século de evolução, as mentalidades continuam ali… presas… enclaustradas… mas tão bem escondidas entre farpelas de supostos seres evoluídos.

Só sei que nada sei, e o fato de saber isso, me coloca em vantagem sobre aqueles que acham que sabem alguma coisa.
Sócrates

Namasté _()_

De alma ferida observo

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPonderei sériamente se deveria ou não falar sobre este assunto… sinto-me demasiado exausta do que se passou neste verão para puder pensar com sensatez sobre culpados, causas… tremo quando penso nos efeitos… devastadores… nefastos… traumáticos.

Mas mesmo no meio da minha dor calada não posso deixar de me sentir envergonhada pelo que vejo e ouço nas redes sociais e meios de comunicação.

Culpas atiradas de um lado para o outro simuladas num velhaco sacudir do capote que pela primeira vez me faz ter vergonha de ser portuguesa.

Eu, imigrante desde nova, defensora do meu país e dos meus, a caminho de entrar nos entas sinto-me envergonhada de dizer que sou portuguesa.

Nestes meses de inferno quente o meu país sofreu, sofreu a devastidão de um mal perverso ocultado pelas destruição das chamas devoradoras que de supostamente tão normais já deveríamos estar habituados… pelo menos é o que dizem… que nos devemos habituar… que não devemos esperar que os bombeiros do meu país sejam herois… não são meus senhores, são super herois sem capa mas de alma pulsante que durante estes meses beijaram os seus sem saber se os iriam voltar a ver para salvar população atrás de população humana ou não, numa luta perdida a partida e como super herois que são irão inevitavelmente ser esquecidos assim que o frio chegar.

Culpam o partido que antecedeu, a inactividade dos militares… a culpa do São Pedro vai na volta por não ter chovido como deveria… desculpam-se com a crise e o acaso… com a facilidade inumana de quem sabe que esta noite terá o tecto sobre a sua cabeça e irá poder dizer até amanhã aos seus.

Muitos meus senhores este natal não terão os seus para se despedir… avôs perderam os netos, pais perderam os filhos, maridos as esposas…. o tecto sobre a sua cabeça… a sua horta, os seus animais que eram o seu sustento neste país que se esqueceu do interior… dos velhos que se mantém presos as suas raizes.

Meus senhores que acusam tão levianemente, desde o 25 Abril que o governo se alterna entre dois partidos… um que se esconde numa direita interesseira e o outro que se esconde no “comodismo” de esquerda decadente, mas que onde ambos se classificam como centristas… centristas fajutos de alma podre e vendida que a única coisa com que se preocupa é saber quanto vão roubar e para onde vão ser colocados no tacho que é a tradição deste Portugal iludido de uma liberdade frágil e fajuta. Que acredita que acabou a censura… que o lapiz azul é agora cor-de-rosa…

No caso dos militares, basta terem dois dedos de testa para saber que cumprem ordens e aí, apenas aí aponto o dedo ao nosso PR por não ter puxado dos galões de Comandante Supremo das Forças Armadas e ter ordenado que se juntassem aos seus camaradas… pelo que conheço das nossas tropas fariam com gosto, já que sofreram na pele a inactividade quando actos terroristas devastavam o meu país

Sim acredito que para vocês criticos do sofá, escondidos por detrás do ecrã, actos terroristas apenas incluem, bombas, tiros e raptos… mas um terrorista é muito mais, é alguém que destroi de animo leve a vida de alguém… a força de um pais.

E depois vêm as criticas ao nosso PR, “não deveria ter pedido soluções”, “não deveria ter colocado contra a parede”, “apenas quer desencadear uma crise”, “é o gajo dos abraços”… que vergonha sinto eu do meu povo, que a cada dia que passa mais limitada têm a visão, que se tornou frio e mesquinho, um povo tão conhecido pela sua forma calorosa de ser… fazem-me lembrar crianças mesquinhas que não limpam porque não sujaram… era preciso alguém com os tomates no sitio para assumir o acto criminoso que ocorreu neste verão, alguém que assumisse a sua culpa mas exigisse soluções… não! Não sou a favor da demissão da ministra, não sem antes assumir responsabilidades e averiguar onde existiu a falha real, cometida pelo partido dela ou pelo outro que na realidade é o mesmo… no fundo eles são amigos que dividem tachos.

Envergonha-me… não entristece-me esta inactividade, esta facilidade de apontar o dedo, de se fazer acusações ao invés de se assumir responsabilidades… de se acusar, de se sacudir a água do capote, desta inacapacidade de se pedir desculpa por não se ter tido a capacidade de se cumprir o papel que é nosso apenas porque nos foi dada a confiança de um povo,

Assassinos continuam impunes, soltos para continuar a perpetuar o mal, encomendado por outrém… por uma qualquer entidade maligna que de tão poderosa ninguém sabe ou quer saber quem é.

Mas no fundo ainda consigo ter orgulho em dizer que o meu Presidente é o Professor Marcelo Rebelo de Sousa, que pode cometer erros, e querer poder… mas não se inibe a pedir desculpa, a prestar homenagem, a estar presente.

Sim eu sei que para os cinicos um abraço vale muito pouco, mas para quem tudo perdeu vale muito… independentemente das vossas opiniões de merda petulante do alto da vossa imaculada vida perfeita.

Namasté _()_

 

Keep the smile on!

6fb36a7b7c538c494098e1e494cd14ab--gratitude-symbol-the-energy

Ontem decidi um texto na minha cabeça, preparei, orientei, alinhei… compus… deixei-o pronto na mente para o transpor para o word e do word para o blogue. Eu sou assim mesmo, existe quem rascunhe o texto numa folha de papel, riscando e acrescentando frases aleatórias que melhor se coadunam eu não…eu faço isso na minha mente, visualizo as palavras e as frases, encaixo pensamentos, muitas vezes em novelos de tal ordem apertados que nem eu os entendo, provavelmente por isso é que muitas vezes a minha pontuação se perde nos meandros confusos da minha mente.

Por isso sim, ontem fui compondo o meu texto, a minha critica apontada à sociedade que nos estamos a tornar, à sociedade que se preocupa com mesquinhez que vale o que vale, a sociedade que se orgulha de ter uma celebridade decadente a aplaudir uma selecção num estádio mas que não se preocupa com as reformas miseráveis dos nossos velhos que muitas vezes têm de optar entre comer ou tomar medicamentos que tanto necessitam, a sociedade que se preocupa que essa mesma celebridade não encontre casa em Lisboa mas que não se preocupa com centenas de famílias que vivem em condições de miséria extrema e pobreza envergonhada, esgotados e esquecidos, ignorados por quem por eles passa… sim tinha o texto perfeitamente alinhavado, prontinho para apontar criticas a preocupações levianas de mentes prostituídas pela informação fútil que não lhes mexa com a vida nem lhes faça doer o coração… tinha-o tão bem preparado do alto da minha montanha de superioridade fútil e gasta de melhor que o outro enquanto na realidade sou igual…

Sim posso até me preocupar com os animais mal tratados, com os velhos abandonados e as crianças esfomeadas de carinho e atenção… posso me estar a marimbar para se a celebridade vai viver em Lisboa, em Corroios ou no raio que a parta mas a verdade… aquela bem escondida no fundo do baú que é a minha mente é que me preocupo também com mesquinhas coisas, me irrito com pedaços bacocos, me enervo com merdinhas supérfluas enquanto na realidade deveria acima de tudo sorrir mais, julgar menos e viver em pleno.

No resumo? Ser mais grata!

Preocupamos nos em demasia em tentar viver enquanto que na realidade para viver bem é muito mais simples deixar as coisas irem… tanta inveja, tanta raiva, tanta critica… fulano não escreve bem, sicrano não limpa, aquela não para na passadeira, a outra não agradece… mesmo quando a situação não é connosco mas viramos a cara a injustiças e tristezas escondidas porque nos é mais confortável fazer…

Hoje vinha sim com um texto cheio de fel preparado, mas foi cano abaixo quando soube que um segurança cheio de vida e sorriso fácil aqui do centro onde trabalho foi para o hospital com o inicio de um ataque cardíaco… as vezes é preciso a vida nos gritar aos ouvidos que não somos nada para nos lembrarmos que pudemos nem ser, mas que somos humanos com uma capacidade louca de sentir… pena é que nos esqueçamos dela com tanta facilidade… no fim é como diz o poeta:

“Não levem a vida tão a sério, nenhum de nós sai vivo dela”

Namasté _()_

Então é o vosso dia

hqdefault

Antes de ter amado um animal, parte da nossa alma permanece desacordada.
Anatole France

Dizem que hoje é o vosso dia, eu digo que o vosso dia são todos os dias mas hoje em dia abundam os dias que se festeja alguma coisa, como se sofrêssemos todos de uma qualquer epidemia de esquecimento colectivo.

Esquecemos sim a nossa capacidade de amar, aquela pura com que nascemos e que aos poucos vamos arrumando na gaveta a cada pancada que nos dão, mas não vocês… Vocês sabem que independentemente de tudo a nossa capacidade de amar deve ser sempre aquela com que nos devemos reger. Vocês sofrem desumanidade só porque não se sabem defender mas mesmo assim confiam…confiam com uma capacidade tal que me chega a doer o coração.

Quem têm a capacidade de vos olhar com os olhos da alma sabe que vocês existem para nos ensinar a amar sem limites mas burros como somos não aproveitamos esse ensinamento precioso.

Neste dia, como nos restantes 364 dias do ano eu relembro todos de vocês que entraram na minha vida e me fizeram ser menos pior (se é que a frase existe) do que aquilo que sou:

Do coelho gigante em casa do meu avô, ao desdentado Pluto que sofreu tanto mas amou mais, as minhas pastoras Xana e Onda (que tantas vezes me fizeram andar de patins mesmo sem os ter calçados), o meu Roque (meu galinho amarelo que foi o único a fazer com que ultrapassasse a minha fobia), o meu Cocas (papagaio careca que morreste de saudades e deixaste em mim uma ferida que nunca sarou no peito), Trovão (o cavalo que me fez amar aventuras), Catarina (a elefante do Jardim Zoológico que adorava mimos), Skip (meu velhinho dos olhos doces), Chorão, Daisy (que ainda me dói a alma de saudades vossas), meu Roger que ainda se mantém junto a mim… nunca vi nenhum ser com tanta força de viver como tu… a todos os anónimos que passaram pela minha vida e cujo o nome eu não sei…obrigada pelos beijos, pelos mimos, pelas gargalhadas… por me encherem a alma de luz, paz e amor…são vocês ao contrario do que dizem a salvação do mundo, possamos nós ver isso antes de ser tarde demais.

Obrigada ❤

Namasté _()_

 

 

#Somostodosgurus

FB_IMG_1506862193307Nesta época tão famosa com os seus # deveriam criar um… o #somostodosgurus já que para onde se olhe todos são iluminados, índigos, reikianos, marcianos, caralhanos e outros ianos que tal.

Hoje em dia todos querem ser gurus… como se a espiritualidade fosse algo que se compra numa loja de quinquilharia se usa para dar charme temporário e se guarda depois quando estamos cansados de brincar… como se não fosse doloroso sentir a dor dos outros… como se o ser empático não sofresse com as angustias e as preocupações de quem o rodeia… engraçada esta vontade de ser mas sem as contra-indicações que daí advém.

Hipócritas mesquinhos…falsos moralistas… vampiros energéticos é isso que sois com a 1422716685.pngvossa boa ventura de auto sacrifício falso e azedo… são incapazes de dizer bom dia aos vizinhos mas conseguem sintonizar com os anjos para captar a sua essência que engarrafam com rótulos bonitos a serem vendidos a quem sofre… a quem não aceita este negrume que vivemos e procura em qualquer lado um ponto de conforto… Sintonização dessa tem um nome e foi esculpida maravilhosamente bem por Bernini…. E é os que vos falta…

Pensando bem outro # deveria ser criado o #umorgasmopordiadasaudeealegria podia ser que assim deixassem de procurar fama a custa do sofrimento alheio e com toda a certeza iriam ter a noção do poder nem que fosse por micro segundos.

Um dom pode ser natural é um facto e pode ser trabalhado também mas como dom que é não esta disponível para o vosso uso fruto e da mesma maneira que um escritor tem de ter inspiração e um livro não é escrito na altura que ele quer, da mesma forma a energia que usam não está a dispor do vosso estalar de dedos, por isso é que este dom não pode ser usado para ganhar dinheiro. Porque simplesmente não te pertence… não tens sintonização contínua com os anjos… não existe um sistema de wi-fi permanente e as chamadas para o além estão pelo preço da morte por isso deixa-te de merdas…não és guru…não és dono da verdade… não tens o poder de captar a essência dos anjos… as velas com cheiro a pó de estrelas são velas de naftalina com purpurinas… no máximo o que tu podes ser é um recipiente mas mesmo aí tens de ser tão altruísta que tens de deixar que te usem para fazer o bem…ou o mal dependendo do que chamas já que o teu livre-arbítrio te permite chegar a tanto e a tua burrice te faz fazer coisas sem te informares primeiro.

Metem-me nojo as vossas conversas iluminadas, pobres de baixa qualidade que demostram em quase todas um auto bater nas costas… o dom é espontâneo, surge quando menos esperas, ataca até te deixar sem folego e depois disso tudo abandona-te deixando-te órfão de um poder que na realidade nunca foi teu…não acordas como num conto de fadas quando ele ataca… acordas com um grito mudo na tua cabeça…repetitivo…

eu não sou maluca…eu juro que não sou maluca…por favor ajudem-me que eu não sou maluca…

no dia que o ouvirem… o sentirem a rastejar como um insecto alienígena que te faz ficar com pele de galinha e te faz tremer as pernas aí falamos… até lá crianças imberbes… deixem de brincar com aquilo que não controlam!

Namasté _()_

 

loudness

magazine

Pseudo

Para o que der e vier!

O estranho mundo de Dom

...um mundo igual a tantos outros ... ou não !

Divas em Apuros

Um espaço de convívio para verdadeiras Divas.