Ambiguitatis error est

link-irado-b1edddf4b3f2b6d622c36443f4df2e3b.jpgVivemos numa época de ilusões, mas não num período de fantasia. Temos a ilusão de sermos livres, mas não vivemos a fantasia de nos libertarmos de paradigmas que nos amarram e nos castram de sermos aquilo que poderíamos ser e de dizer aquilo que realmente pensamos.

Somos filhos do politicamente correcto, netos do parecer bem… afilhados de uma educação bacoca embrulhada num faz de conta… faz de conta que somos felizes, faz de conta que temos amigos, faz de conta que pensamos o que pensa a massa, mesmo que na realidade a massa vá em ordeira manada pelo barranco abaixo.

Se já vivemos a época da censura onde dizer o que se pensava poderia recorrer a umas horas num calabouço, hoje vivemos na época do politicamente correcto… essa é a censura do séc XXI, o politicamente correcto é o lápis azul, mas com glitter que é muito mais in e fashion… e nojento!

Não dizemos o que pensamos não porque pode não parecer bem mas porque temos medo, medo das represálias, medo do que vão pensar, medo do que pode parecer… vivemos a ilusão de uma liberdade fantasiosa que de fantasia pouco tem. Continuamos a viver no medo. Um medo escondido e cego… mas nem por isso menos real.

Vivam, digam, pensem, actuem… falam o que realmente pensam, tudo pode ser dito se o for feito da maneira correcta. Não se escondam nas frases feitas…nas paradigmas pré-formuladas de um correcto bacoco e vazio. O mundo está frio demais…feio demais… vazio demais para ser deixado assim… neste sentimento oco e ausente.

O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam o mal acontecer.
Albert Einstein

 Namasté _()_

 

 

 

Hominibus

39032129_286083592186032_2003772212619771904_n

Não sou feminista, não gosto de rótulos, de ter de me sujeitar a “condições” de sexo… sexo forte, sexo fraco… vontades e posições… detesto o politicamente correcto e sinceramente tenho muito pouca paciência para lutas que já deviam ter sido decididas há séculos.

Se calhar tenho tido sorte, nunca tive de me impor em nenhum trabalho e sempre soube como trabalhar as minhas vantagens e desvantagens sexuais em meu proveito. As mulheres perdem tanto tempo a querer igualar-se aos homens que se esqueceram de saber usar o que melhor têm em seu proveito.

Não somos fracas, não somos objectos para sermos usadas e muito menos bibelots para sermos mostradas… se o somos a nós devemos culpabilizar, porque não existe maior inimigo para a mulher a não ser a própria mulher.

Tenho nojo do que leio e do que vejo nas redes hoje em dia, independentemente da minha opinião põe-se aqui uma questão crua e simples… Ele deu dinheiro para calar, o que significa que sabe que fez algo incorrecto… e ela aceitou por consequência disso agora sujeita-se a ler e a ouvir algo que não devia… se aconteceu algo contra a sua vontade deveria ter falado logo e não esperado 9 anos…dentro de um quarto, seja porque é apenas uma noite, uma prestação de serviço, um relacionamento de anos, deverá haver sempre consentimento de ambas as partes, senão é pura e simplesmente uma violação… conversas do género, não queria não ia, sabia ao que ia, não iam conversar, se aceitou agora tem de arcar as consequências é conversa de merda, e ler este tipo de declarações da boca de uma mulher a mim só me deixa com vontade de uma coisa… de vomitar!

Atenção que eu aqui não a estou a defender a ela, nem a ele… estou apenas a criticar a incapacidade que existe em chamar os bois pelos nomes e mais a ainda a constatar o simples facto de que numa raça de merda a parte feminista da raça consegue ser um cagalhão. Estou cansada de rótulos, do parecer bem… se querem foder, fodam… tomem banho depois e não pensem mais nisso… não… não vos torna vulgares, torna-vos humanas… e não faz dos homens conquistadores, faz deles humanos. Deixem-se de merdas, de apontar o dedo, de criticar quem o faz…

Deixem-se de falsos pudores, de críticas fáceis, de adjectivos fúteis… sim ele é português… sim ele salva muitas crianças e é humanitário… e é humano e comete erros… e pagou… se ela deveria agora vir falar sobre isso? Não! Se está a querer lucrar a custa do craque endinheirado… provavelmente…. Se vos dá o direito de dizerem a merda que andam a dizer? Ponderam lá sobre isso… Não, não dá!

Se não pela vossa condição de mulheres, pelas vossas mães e filhas… ao menos por aquelas que sofrem assédio no trabalho, maus-tratos em casa, violações nas festas… ou apenas porque decidiram colocar uma mini-saia e sair para passear na rua sozinhas… já dizia a minha avô que em boca fechada não entra mosca nem sai merda… e vocês não fazem ideia do que é passar por isto e conseguir escapar ilesa! Ter depois a coragem de falar, de acusar, de expor, sabendo a merda que vão ouvir depois… Asco… apenas consigo sentir asco pelo que vejo.

Não defendam só porque é mulher, não defendam só porque é um craque… não falem de animo leve e principalmente metam os julgamentos no cú (sem dúbias interpretações), porque sinceramente esta fase de julgamentos precipitados e em hasta pública já anda a meter nojo.

Não existe outra via para a solidariedade humana senão a procura e o respeito da dignidade individual.
Pierre Nouy

Namasté _()_

Pensamentos meus

06d83c39dc7f2799dfd4077dcc7bdec9-e1487455562656Não! Não está um tempo “fixe”… não é um bom “calorzinho” e achar que isto é normal e “nice” só mostra que mesmo com séculos de evolução continua tudo com a mentalidade neandertal típica de quem só se preocupa apenas com o seu umbigo.

Os pássaros estão a fazer ninho, nas árvores ao invés das folhas caírem, florescem… a natureza está confusa… mas é “tudo numa boa” desde de que possas colocar o pito por mais 2 dias na praia… “apanhar um bronze”… uma coisa que nunca entendi mas que pelos vistos é uma “quote fixe”

Vivemos a mais de um mês acima dos nossos recursos naturais… estamos a viver a conta… a gastar aquilo que não repomos e mesmo assim é tudo normal, tudo nice… tudo numa boa.

Não fosse tudo tão assustador seria apenas e só estúpido ver que continuamos tão narcisistas embora provavelmente só meia dúzia de pessoas saiba o significado dessa palavra tão grande.

Continuem assim… focados nesse monte de cotão que têm na linha da cintura e depois queixem-se… ou critiquem o governo… either way… a culpa sempre foi daquelas que morreu sozinha.

Namasté _()_

 

Life Support (não sou adepta de estrangeirismos mas aqui até que se adapta)

My PostConfesso-me observadora, vulgo cusca da vida alheia, mas não no mau sentido. Gosto de observar as pessoas, de imaginar o que existe por detrás de um sorriso, o que os leva a apressar o passo… o que respondem do outro lado do telefonema. Talvez seja este meu lado escriba…ou talvez seja uma qualquer doença mental ainda não descoberta, mas desde de que me lembro de mim como ser pensante, que é algo que gosto de fazer.

Sou daquelas que para e olha e muitas vezes nem vê o retrato que se me apresenta…estou apenas a olhar com o “olho imaginativo da mente”… com o AJÑA… e ultimamente o que vejo é que não se vive…sobrevivesse.

Em todo o lado o pensamento é sobrevivência… arrastamento da nossa vida até dois e apenas dois dos 7 dias semanais… 15 dias ou no máximo 1 mês dos 365 dias ou dos 12 meses anuais… 4 horas no máximo das 24 diárias. Por todo o lado, vivesse em função das férias, do fim-de-semana, do fim do dia… do final do mês. A própria rádio em cada interrupção da programação conta os dias de forma decrescente para liberdade efémera de um fim-de-semana bacoco e infértil.  Que tristeza.

Que tristeza viver num plano onde a felicidade de um povo está assente em miseras horas, onde a realização de um ser é nas horas que falta para o fim-de-semana… desaprendemos a viver, ironicamente aquilo que mais desejávamos… é aquilo que nos está a matar… somos sedentos de mais, mas o que procuramos não nos mata a sede.

Acordar apenas com a felicidade de acordar para mais um dia… ir para o trabalho com a alegria de que o pudemos usufruir… levar o dia com a jovialidade e a abertura do que de novo nos pode trazer e chegar ao fim do dia cientes que fizemos o nosso melhor… será assim tão dificil? E se demos o nosso melhor, porque ficar mais horas… mais tempo num local onde já não estamos a 100% ao invés de aproveitar os últimos raios de sol, nem que seja para 15 minutos de uma pausa onde nos reencontramos… respiramos… e não levamos o mau estar para junto de quem nada tem a ver com isso.

Dar e receber de forma justa… não se pode dar sem contar receber algo em troca… isso é muito bonito mas apenas é idealismo, serve para mim… que continuo a acreditar… que o passo acelerado te vai levar de encontro aos braços de quem amas e não em fuga de uma vida que não desejas…

A felicidade não está em viver, mas em saber viver. Não vive mais o que mais vive, mas o que melhor vive.
Mahatma Gandhi

Namasté _()_

 

Sobre o surrealismo!

Conversas surreais que nos apetece hibernar:
“X:Olhe a menina desculpe, mas quem é o seu vitrinista?
U: Sou eu, porque?
X:Tenho que lhe dar os parabéns, antes demais, e perguntar se vendem a decoração.
U: Por norma sim.
X: Qual é o preço do escadote/estante que tem na montra?
U: Olhe não sei, tenho de fazer a conta ao material e tempo que demorei a fazer.
X: Faça assim não me cobre a mão de obra.
U: Faço melhor, não lhe cobro o design e assim não paga 300€ ou 400€ que acha?
X: Que devia fazer as coisas como se fosse para a sua família…
…….
U: Têm a certeza?
X: Claro!
U: Ok sem contas feitas são 1500€ pela peça!
X: Desculpe?
U: E mesmo assim não paga a metade dos problemas que a família nos trás!
X:….
U: Terça-feira já lhe digo quanto custa a peça.”


Só a mim é que me aparecem estes gambuzinos luminosos!

Coisas que me irritam (parte III)

Depois da parte I e II não posso deixar de vos trazer a parte III desta já tão esquecida rubrica… confesso aqui que afinal não existem assim tantas coisas que me deixem irritada… o que acontece é que aquilo que me deixa irritada, deixa-me mesmo irritada e isso fazia parecer que era muita coisa. Não é, mas isso não significa que não descubra outras a longo prazo e se assim acontecer eu volto.

Posto isso aqui fica o terceiro capitulo de “Coisas que me irritam”, dadadaaaa (com o respectivo gingle obviamente):

extremismo1. Extremismos:
Seja de que tipo, religioso, alimentício, orientação sexual ou mesmo musical, todo e qualquer extremismo têm a capacidade de me tirar do sério. Sou a favor do livre-arbítrio e ainda me considero suficientemente livre para fazer o que me der na real gana, desde de que isso não influencie a vida de ninguém. Não impondo ideias ou ideais a ninguém também não tenho tolerância para que me sejam impostas e hoje em dia esse é o pão-nosso de cada dia. Imagens de animais estropiados apenas para fazer o nascer “vegano que existe em nós” ou de massacres religiosos para nos dar “vontades de reabrir os autos da fé” não levam a lado nenhum a não ser ofensas e violência gratuita.
Faz falta o saber estar e saber falar, a troca de ideias sem imposição, mas isso nunca vai existir e isso em parte é muitas vezes devido a 2 coisa que me irrita solenemente e que vou escrever de seguida.

Haters2. Haters (ou como eu costumo designar gente que não f@de)
Não tenho paciência a sério que não tenho, gente mesquinha que detesta porque sim é gente que literalmente não sente o sabor de um orgasmo a séculos. São eles muitas vezes os causadores de extremismos e trocas acesas de conversas. Gostam de lançar as achas com frases tipo, e depois de verem o “circo a pegar fogo” vão buscar as suas pipocas e assistem à merda que causaram. São facilmente reconhecidos pelos argumentos bacocos que de inelegantes pouco têm e de produtivos menos ainda. Se lhes perguntas para dar solução ou explicar o porquê da opinião contrária, respondem-te que não se têm de justificar pelo seu gosto.

gerundio[1]3. Gerundistas (inventei a palavra e sim estou muito satisfeita com o feito)
Os tentando, escrevendo, vendo, cagando… não tenho paciência para isso, gosto muito da língua mãe, sim passei as passas do Algarve a dizer os verbos (cantados, no meu tempo ainda era assim), mas não tenho de o usar apenas para simular inteligência. Denota mau gosto e uma incapacidade gritante de falta de sabedoria a construir uma frase. O único sitio aceitável é no Alentejo, eles ganharam o direito a usar o verbo da forma como bem entenderem… Agora de resto é só o uso idiota de um estrangeirismo que nem dessa forma deve ser considerado já que brasileiro não é língua é sotaque.

Telemóveis4. O uso excessivo do telemóvel, ou qualquer outro gaget como sinónimo de riqueza ou poder
Eu não sou hipócrita ao ponto de dizer que eles não nos dão jeito, até porque eu faço tudo com o meu, desde de ir ao banco a responder a e-mails, mas não faço questão de andar com eles 24 horas por dia ou de os exibir como um qualquer sinónimo de conta recheada no banco. E sejamos sinceros falar ao auricular ou em alta voz enquanto caminhamos e em voz sonante dizemos o negócio de milhões que estamos a preparar não é só estúpido é parolo (as minhas desculpas aos parolos que esses sim têm dinheiro).
Se juntarmos a isso o facto de os pagarem a prestações, enquanto vivem de rendimentos, ou reclamam do preço dos livros da escola dos miúdos (que estão pelo preço da morte, mas têm de haver prioridades), é caso de internamento. Parem 5s, não é preciso mais, e avaliem a sociedade ao vosso redor,não há convívio há feeds… e não vivemos mais em sociedade… navegamos… e isso é tão triste.

Julgar pela aparencia5. Julgar o livro pela capa
Essa talvez seja aquela que mais me irrita, o julgamento precipitado do outro… pela forma como te vestes, pelo que ouves, onde trabalhas… nessa caso eu posso falar por mim… as inúmeras vezes que já ouvi… “ninguém diria, a trabalhar atrás de um balcão e os conhecimentos que tem” como se isso fosse sinónimo de burrice. Se soubessem os conhecimentos, as risadas, as partilhas que perdem por se afastaram dos outros que não “cruzam com os vossos padrões” não seriam tão rápidos em julgamento e teriam tanto mas tanto a ganhar.

E pronto fim da rubrica… caso se justifique volto com a IV parte de “Coisas que me irritam” (isto dito com voz sonante por favor)… dadadaaaaaa.

Namasté _()_

Igualdade sim… sermos todos iguais é que já não!

clones-cloned-ss-1920-800x532Confesso que não sou muito de modas, cansa-me as tendências impostas, as mentalidades implantadas… as ideias pré-concebidas.

Gosto dos livre pensadores, daqueles que incomodam porque são diferentes, porque pensam diferente… porque não se deixam levar pela massa. Com isso não quero dizer que gosto daqueles que não gostam só porque sim, que não seguem porque querem “ser diferentes” mas depois não te sabem dizer o porquê de não gostar ou não seguir… esses para mim são os “porque”… os “porque sim” ou “porque não”… Não! Eu gosto daqueles que dizem gostar ou não gostar com contexto e com explicação cientifica descrita em papeis de 25 linhas.

Gosto de debates, de conversas… de começar a falar no porque de se gostar de doce de amora e acabar na teoria cientifica dos portais do sobre-mundo… já reparam como é raro hoje as conversas… sinto falta das conversas, mesmo daquelas disparatadas que não nos levam a nada… hoje em dia não se fala… não se pensa… segue-se!

Estou literalmente cansada das modas… das modas que não levam a nada… a moda das tatuagens… ou como eu gosto de chamar os carimbos… as patas… a linha da vida… os espanta espíritos… as borboletas… a falta de sentido que existe naquilo que deveria ser uma obra de arte para a vida… mas que depois ou são apagadas ou substituídas, e que depois em ambos os casos fica uma cagada…porque não paraste 5s e pensaste se era mesmo isso que querias fazer… eu tenho duas… pensadas…ponderadas… não as fiz para serem bonitas, mas porque respeito uma arte secular com sentido…

As modas da roupa… a clonagem da juventude… ou te vestes como todos ou és literalmente colocado de lado e isso num século onde obrigatoriamente te tens de sentir aceite ou então não és ninguém.

A moda irritante da protecção dos animais e irritante porque? Porque já há muito tempo que se os tenta ajudar… mas antigamente não era moda era altruísmo, hoje? É uma put@ de uma moda onde se mede o ego como os putos medem as pilas nos balneários, e no final sofrem sempre os mesmos…  pagam sempre os mesmos… são sempre os mesmos os esquecidos.

No fundo irrita-me a falta do livre pensamento, da vontade própria… a ausência do fanatismo… a constante guerra de imagens que nos violam a retina… irrita-me a falta de tempo… a pouca vontade… tenho saudades das conversa a volta da fogueira… do tempo onde se perdia tempo a explicar algo e onde a diferença não era vista como rebeldia mas como carácter.

Descobrir consiste em olhar para o que todo mundo está a ver e pensar uma coisa diferente.
Roger Von Oech

Namasté _()_

 

Objecção de consciência ou falta de responsabilidade?

pinup1Não, não sou daquelas que acha que as mulheres, para serem mulheres têm de ter filhos, da mesma maneira que não acho que um homem para ser homem tem de ir a tropa.

Uma coisa não implica a outra, mas também não sou contra a ida à tropa… não acho que isso incite a parte agressiva da testosterona masculina, nem acho que faz com que as mulheres virem machonas… é o que é.

Tenho visto a polémica ser instaurada nas redes sociais nos passados dias… “a ida a tropa passa a ser obrigatória”… como se de um momento para o outro tivesse sido anunciada a 3ª guerra mundial… mas só de opiniões… acho que a malta hoje em dia assanhasse por tudo e por nada.

Li as opiniões contra e a favor…concordei com umas, fiquei de queixo caído com outras e no resumo? Cheguei a conclusão que ou as pessoas não entendem o significado de ir à tropa ou gostam mesmo é de fazer tempestades em copos de água… dos pequenos… aqueles de licor…

Sou a favor de ir à tropa, não apenas os homens, mas em ambos os sexos… sou a favor da igualdade, do sistema de valores, da aprendizagem pelo trabalho de equipa. Sou a favor de se saber na pele qual o significado de sacrifício, de os jovens se capacitarem que o lema de “um por todos e todos por um” não é apenas uma frase escrita por Alexandre Dumas, de aprenderem o sentido de camaradagem…

E acreditem que sou contra a guerra, contra conflitos armados, mas dizer que a ida obrigatória à tropa implica uma guerra, perdoem-me é só estúpido. Não são os tropas que fazem as guerras, são os dirigentes… os presidentes dentro dos seus escritórios com comodidades e ar condicionado que accionam interesses e usam a seu bel-prazer da vida de homens e mulheres que tem na mente apenas a protecção da pátria e dos seus compatriotas…

Faz falta a um país a protecção das forças armadas, terrestres, áreas ou marítimas… são eles e não os políticos que defendem as fronteiras, as pessoas… os bens… os direitos. São eles que mesmo contra os conflitos armados, a favor da paz, entregam a sua vida para que possamos viver em liberdade… e são estes homens e mulheres que estão dispostos a ensinar a geração futura este tipo de valores… por isso antes de os criticarem… de os acusarem… lembrem-se que acima de tudo são eles que estão dispostos a largar tudo, para defender aquilo que dão por certo, mas que na realidade é tão efémero… a nossa liberdade.

Namasté _()_

 

 

 

Um brinde…

My Post.jpg

Dizem que hoje é dia dos amigos, eu digo que hoje em dia é raro os teres na tua vida… mas como os inimigos são apenas amigos em construção, eu digo… um brinde a todos vocês que existem na minha vida, aos amigos pelo que são… aos inimigos por aquilo que me fazer ser, e aos que não são nada a não ser seres abjectos que nos querem mal… principalmente a vocês que me fazem crescer e ser melhor a cada dia que passa… txim…txim…

Namasté _()_

Séc XXI será mesmo?

My Post (4)Teorias onde se tenta provar que a terra é plana, boicote a vacinação, campos que atestam ter a cura para a homossexualidade, juras a pé juntos que o problema do aquecimento global é apenas e só uma cabala de interesses e não a realidade. O continuo abandono e maus tratos aos animais… a defesa de que barbáries como a tourada são tradição e cultura. A continua superstição que os gatos pretos dão azar… o uso indevido por pura maldade destes maravilhosos animais em dia como o de hoje.

Uff sinceramente não sei se ainda estamos em pleno séc XXI ou se entramos num qualquer plano alternativo de retrograda mentalidade. O que sei e isso com a certeza que me assiste é que estou muito… mas muito farta da raça humana!

Namasté _()_

OMNIA IN UNUM

Trilhos definidos em horizontes indeterminados

loudness

magazine

Pseudo

Para o que der e vier!

O estranho mundo de Dom

...um mundo igual a tantos outros ... ou não !

Divas em Apuros

Um espaço de convívio para verdadeiras Divas.