Aquele medir pilinhas que me enerva sobremaneira

20151103002521Em primeiro lugar, deixem que deixe aqui bem assente que esta é a minha opinião, sou assim como os malucos e digo o que penso… se não concordam não enfiem a carapuça até ao cotovelo, nem comecem com “mimimis”… não que me preocupe aquilo que pensem de mim, apenas me sinto cansada da falta de humor e da incapacidade quase genética de rir… temos vindo a sofrer de insuficiência de sentido de humor nos tempos que correm e não é algo que quero agarrado a mim, tal qual vírus oportunista de uma qualquer doença ainda não descoberta.

Este texto é sobre isso mesmo, não sobre os vírus, mas sobre os seres QUASE (ressalvo o QUASE) todos obtusos de mentes quadradas e retrógradas, preconceituosos seres com o síndroma que são Deuses! Os médicos!

Quem me conhece sabe que não sou muito fã de médicos, respeito os seres que exercem essa profissão com o mesmo respeito que tenho por sapateiros, talhantes, cangalheiros, vendedores, varredores de rua, vendedores de gelados… penso que compreendem o meu ponto de vista… todas as profissões são necessárias no meu ponto de vista, todas são válidas e todas merecem o nosso respeito… não é na profissão que está o erro mas na merda de profissionais que encontramos em cada uma delas.

Neste caso especifico falo dos médicos, já falei de outras, para o bem e para o mal e lá porque não sou fã deles, não significa que não dê valor aos anos de estudo, o que me irrita solenemente é seres científicos e supostamente elucidados serem tão preconceituosos a  outras formas de “medicina” ou de cura.

Para perceberem minimamente o porque desta lengalenga toda, deixem que vos explique a conversa surreal que ouvi… não comentei… e só eu sei o esforço que foi não abrir a boca… tanto que acho que ainda estou estrábica a pala disso:

A minha mãe, mais que todos nós lá por casa, foi atacada e bem por esta estripe gripal que abunda neste inicio de 2018, tão atacada que contra ela mesma decidiu ir hoje a médica (este meu amor-ódio pela classe médica tinha de vir de alguém), e eu decidi ir com ela, começou logo pelo facto de as consultas começarem as 9h e vossa excelência que se encontra acima dos comuns mortais, ou acha ela, chegar as 9h10… sou só eu que acho que horários são para cumprir? Quer dizer eu não tenho costela britânica, mas se o horário esta afixado não deve ser cumprido? Se as consultas começam as 9h, ela tem de estar preparada as 9h para atender os doentes, não é as 9h01, nem as 8h59… é as 9h… mas não… atendeu as 9h15… nos dias que correm temos de convir que até nem é nada mal.

Lá entramos ora diagnostico aqui… ora diagnostico ali… e pergunta a “sora dotora”… então o que anda a tomar? E a minha mãe lá mostra… productos comprados na farmácia… pelo que ressalva a “sora dotora”, ora por isso é que não gosto destes produtos (não são medicamentos são produtos) porque “não são da minha medicina” (WTF??? Quantas medicinas hã? Não deveria dizer não é da minha especialidade?) e por norma (adoro o por norma) abafam a doença em vez de a tratar…. Aqui já eu devia ter a boca tão aberta que a minha mãe provavelmente ouvia as rodas do tico e do teco a andar a toda a velocidade para uma das minhas tiradas…. Tanto que saiu pontapé dissimulado…

Perguntei eu a muito esforço e bastante controlado… então e chãs a noite não aconselha? Para? Pergunta ela… Hum não sei, respondo eu… talvez para hidratar… amaciar a garganta… aconchegar… Sabe o que lhe digo? Responde a “sora dotora” isso para mim é como melhoral…não faz bem nem faz mal…

Ora fodasse a sério? Melhoral? Será que esta gente não sabe, nem ninguém lhes disse nos seus anos infindáveis de estudo que os químicos que passam são apenas e só as fórmulas adulteradas do que a natureza dá… com uns pozinhos mágicos que nos faz precisar de mais uns tantos para tratar as maleitas que nos deixam os que tomamos para nos tratar?

Eu não sou assim tão ingénua que ache que se trata TUDO com homeopatia, mas sou suficientemente inteligente para saber que 90% dos casos até se trata, demora mais tempo? Demora… faz menos mal? Obviamente que sim. E se até está provado que o Reiki e acupunctura ajudam no tratamento do cancro por exemplo, quem são estes para dizer que é melhoral?

Perdêssemos menos tempo nesta luta de medição de pilinhas e juntássemos informação e muita gente estaria a sofrer muito menos… mas não… continua a ser difícil perder o estatuto supremo que os nossos avós nos incutiram… a “sora dotora” é que sabe, com a “sora dotora” não se discute… a “sora dotora” manda… por isso é que cada vez mais se vê diagnósticos errados e prolongamento desnecessário de sofrimento… porque os “sors dotores” não admitem uma coisa tão simples… a sua humanidade… e como consequência a sua falibilidade.

A natureza parece quase incapaz de produzir doenças que não sejam curtas. Mas a medicina encarrega-se da arte de prolongá-las.
Marcel Proust

Namasté _()_
PS: Atenção que eu continuo a dizer que os médicos fazem falta, salvam vidas e são essenciais na vida de todos… não é isso que está aqui em causa, apenas a incapacidade de alguns (ressalvo no alguns) serem incapazes de abrir a mente e de se auto endeusarem.

Advertisements

Fine anni scriptor

runas-do-amorExiste uma pedra no oráculo rúnico que não têm nada gravado, é o similar a carta da XIII (a morte) no Tarot, sempre gostei dessa pedra, sempre me atraiu quando o leio, talvez porque sempre gostei do terminar de um ciclo, do recomeço. Ao contrário do folclore que por aí abunda, tanto a Runa Branca como a Morte, não significam o fim de nada, mas sim o recomeço de algo. As religiões pagãs, com principal foco na Hindu e por consequência na Deusa Kali têm essa mentalidade… para recomeçar algo existe sempre uma destruição… um término… por isso era tão importante as cheias no Nilo…porque ao destruir o que lá estava, enriquecia as margens do rio para as culturas daquele ano! – Estou filosófica hoje, deve ser de ser a ultima sexta do ano

No fundo o que eu quero dizer com esta lengalenga toda é que gosto do findar de um ano, do terminar de um ciclo…verdade que a bagagem do ano que termina, transita connosco para o que começa, mas acaba por ser 365 dias de novas oportunidades, de tentar fazer melhor, ser melhor… de terminar mais alguma coisa que não se conseguiu terminar no anterior.

7edc4795559bbf264cd07caae70752d1.jpgEste ano que passou, que voou melhor dizer assim, foi um ano de extremos, mas ainda não foi o ano de despertar consciências infelizmente. Aqui no nosso cantinho, foi o ano que se perderam 111 pessoas no inferno que nos assola todos os anos na altura do Verão, mas que serviu para demonstrar que o povo quando se une é magnânimo… mas que o governo não, já que ainda nada foi feito para prevenir o Verão que se aproxima já ao virar da esquina… foi o ano que ganhamos a Eurovisão com uma música simples e cantada em Português, mas que não serviu para que mais gente, mais artistas, o usassem como exemplo e voltassem a sentir orgulho em cantar na língua mãe! Foi mais um ano em que o PR mostrou que um político é acima de tudo um homem, acarinhado pelo mundo fora como nunca nenhum foi antes, não serviu num entanto para que não fosse criticado por aqueles que mais defende. Muitos morreram…muitos nasceram… muito se evoluiu mas não o suficiente para despertar a consciência, que entretenimento com animais não é cultura e muito menos tradição…se assim fosse e em Roma o coliseu ainda estaria operacional. No rescaldo? Foi um ano de descobrir carecas…Raras em alguns casos, mas nem por isso surpreendentes… mas foi também um ano onde se provou mais uma vez que o lápis azul… o famoso… continua activo, só que agora não lhe chamam azul… modernices.

O meu foi o cópia do ano em geral, as rodas da vida por norma estão interligadas com a humanidade, quando assim se quer ver, as mudanças ocorreram também na minha, recuperei o meu amor, pelo menos na sua amplitude e com mais força do que aquela que existiu no inicio, decidimos morar juntos, e mesmo eu sendo difícil na divisão do meu espaço, não poderia estar mais feliz, não ganhei apenas um companheiro, ganhei um confidente, um amigo, um parceiro… na junção? Ganhei a outra metade do meu ser… em contrapartida perdi o meu melhor amigo, o meu companheiro de 4 patas… o meu filho de alma… 17 anos depois o cansaço venceu e ele deixou-se ir… ficaram as lembranças e a dor presente e constante da sua ausência! Também terminei algumas pendências… preparei terreno para terminar mais algumas agora em 2018… o ano muda mas a bagagem fica… e isso ninguém pode fazer nada em contrário! Foi um ano de murros no estômago, perdi pessoas que gosto… tenho algumas que amo doentes… reencontrei outras tantas… não sou hipócrita ao ponto de me questionar porquê a mim… as coisas são como são e temos de aceitar, retocar o batom e seguir em frente. Determinei metas… tracei planos… uns bons e outros nem por isso e constatei, mesmo tal não sendo preciso, que a solidão mata mais que qualquer doença do Séc. XXI mas que mais que a solidão o que mata é a indiferença com que se vive hoje em dia!

No rescaldo? O ano que termina daqui a menos de 3 dias pode ter sido muito mau para muitos, já tive os meus assim, mas para mim não o foi. Tive quedas, tive momentos de profundo desespero, mas “lambidas” as feridas e sacudido o pó, não foi um ano mau… não! Nem pouco mais ou menos!

Posto isto obrigada por tudo 2017 e sê bem-vindo 2018… estou ansiosa por saber o que me trazes!

“A lei da mente é implacável, o que tu pensas, tu crias, o que tu sentes, tu atrais, o que tu acreditas, tornasse realidade!
Buda”

Namasté _()_

E se…

ReikialatierraintermedioTenho uma relação de amor/ódio com o Natal, se por um lado gosto da magia da época por outro cansa-me a hipocrisia que inevitavelmente vem agarrada a época.

Acho que sou como o meu avô neste caso, o ano tem 365 dias e não nos devemos lembrar das pessoas, nem do amor e da faternidade apenas num dia só, ou então apenas na altura que cinicamente se desejam festas felizes.

Ora aí está uma coisa que sempre disse, Festas Felizes, acho que já me esqueci de quando desejei a alguém Feliz Natal e se o fiz devo ter sido muito pequena na altura.

Para mim não existe “religião verdadeira”, não existe “a minha é mais real que a tua.”, para mim sempre existiram religiões como forma de pensar de diferentes povos… o lema “os meus anjos são o demónio do meu inimigo” encaixa muito bem e mais uma vez nesta conversa.

Gosto isso sim de estudar similaridades entre as milhentas que existem… de me armar em garimpadora só que em vez de a minha procura entre os grão da areia ser de ouro, é de pontos em comum entre as diferentes formas de processar a fé.

Hoje em dia com a liberdade exagerada da internet, cada vez mais se enquantra informação mal fundamentada e carregada de subtis palavras de ódio, que em mentes tacanhas e sedentas de saber o porquê da vida germinam em pequenas raizes de ódio, preconceito e intolerancia.

O incrivel disso, ou talvez não, é que formas de pensar reprimidas no antigamente são agora as que mais atacam e menos toleram todas as outras… deveria não ser pedir demais aprenderam com o que sofreram, mas fazem lembrar aqueles pais que por terem sofrido maus tratos na infância se acham no direito de fazer o mesmo aos seus filhos, criando um ciclo vicioso de maus tratos e maus formandos.

E isso é particularmente visivel em épocas de festividades familiares como o Natal, onde as religiões consideradas pagãs (nunca aceitei bem este nome) não se cansam de encher redes sociais e ouvidos com textos e imagens pré-formatadas de como são elas as criadoras da Árvore, das luzes, das prendas e de mais o aralhinho a quatro (perdoem-me os mais susceptiveis), como se fosse de facto importante isso no motivo porque a época é festejada na primeira instancia.

Sim as religiões absorvem festividades de outras, mas acreditem que muito provavelmente as vossas foram surrupiadas a outras que consideram bárbaras, tentar nos dias que correm procurar qual de todas é a mais verdadeira é uma demanda que nem um idealista como o Don Quixote teria paciência para aceitar.

Por isso lembrem-se que a época simboliza paz e união, conceito de família mesmo não sendo a de sangue, dádiva e sacrificio, capacidade de amar acima de tudo e de todos. Simboliza a nossa capacidade de ultrapassar obstaculos, a nossa habilidade de ajudar os outros quando assim o desejamos e simboliza sobretudo o renascer da esperança, e acreditem que nesta época tão negra de sentimentos cada dia mais falta faz manter esta luz acesa.

E no fim disto tudo o ideal seria termos a capacidade de a manter nos 365 dias que sucedem tão maravilhosa época, seja ela cristã, pagã, ortodoxa ou mesmo leiga e ateia!

Pensem nisso!

Quem afirma que não é feliz, poderia sê-lo com a felicidade do próximo, se a inveja lhe não tirasse esse último recurso.
Jean de la Bruyere

Namasté _()_

 

Parabens a mim

E já cheguei a meta dos entas. Parabéns a mim 😎

Só gostava mesmo era que a música do Batatoon me saísse da cabeça 😂

Namastê _()_

Em jeito de reflexão

woman and birdHoje disseram-me que ando demasiado revoltada, não nego que me sinto cansada do mundo, como se as minhas baterias estivessem em falência por serem demasiadamente carregadas em espaços de tempo cada vez mais curtos. Não sei, sabes as vezes nem a mim me entendo, eu que convivo comigo há 40 anos.

Tenho fases em que sinto uma exaustão tão grande que até encher os pulmões de ar me custa, talvez esteja a passar uma dessas fases não sei, sei e tu sabes disso, que nunca julguei os teus motivos e muito menos reneguei o meu karma.

No fundo acho apenas e só que ando cansada de ver coisas más a acontecer as pessoas boas e olha que não me estou a incluir no lote, sabes como sou… reclamona por natureza, guerrilheira por hábito e teimosa como uma junta de burros, acabo sempre por ver coisas boas, mesmo quando a merda é tão grande que até o cheiro nos impede de pensar.

Habituei-me desde de pequena a falar contigo, não sei quem és ou se existes e sinceramente nem é isso que está aqui em questão, mas nasci ainda numa época em que eras temido e nunca te temi, sempre te tive como um amigo intimo que o papel principal consiste apenas em ouvir… não em dar soluções ou respostas, essas nós já as sabemos intimamente, apenas como um ouvinte, que de tanto ouvir e de tanto eu falar acabava sempre por me ajudar a ver a solução ao que me angustiava.

Hoje a 3 dias de passar uma marca, dizem que os 40 são os novos 20 (eu continuo a preferir pensar que estou a entrar na idade da loba) penso ser uma boa altura para fazer uma reflexão na minha vida e nada como o fazer conversando contigo, que sempre foste um dos meus melhores amigos.

Sim é verdade que não tive até a data uma vida fácil, sim é verdade que tive de lutar por cada uma das coisas que possuo, mas sabes não me arrependo nem um segundo de nada que tenha feito, se magoei alguém é porque tinha de ser, sem me magoei fazia parte do pacote, no rescaldo? Foram 40 anos intensos… foram 40 anos de lágrimas sentidas e gargalhadas dadas com prazer… chorei tantas vezes de alegria e ri muitas vezes de raiva mas se sou o que sou hoje, sou porque vivi cada minuto dos meus 40 anos com a plena convicção que o fazia correctamente… se não foi é porque não tinha de ser.

Perdi algumas pessoas na minha vida, umas importantes, outras nem tanto, sinto falta apenas de uma, acho que nem ele sabe a falta que me faz… se lhe faço falta a ele também? Gostava de pensar que sim, mas mais uma coisa que aprendi foi apenas a contar com o que tenho e a lutar com as armas que tenho mais a mão… é o que faço todos os dias da minha vida… mais revoltada, menos… mais ou menos cansada sei que ainda não perdi a capacidade de rir, fui infelizmente perdendo a capacidade de chorar…

Sei que sou amada e odiada, sei que tenho a minha quota-parte nos dois sentimentos, não odeio ninguém e amo muito poucos, na realidade os dois sentimentos, ao contrario daquilo que as pessoas pensam são igualmente intensos e facilmente se passa do ódio ao amor e do amor ao ódio, é preciso conhecer bem os dois… já odiei demasiado e amei em demasia para saber o mal que faz cada um deles.

Tenho plena consciência dos meus demónios, li vai já algum tempo que “os meus Deuses são os demónios dos meus inimigos”, ficou-me marcada talvez pelo simples facto de eu conviver tão bem com uns como com outros, na realidade são necessários os dois para haver um equilíbrio e tu mais uma vez, sabes bem disso.

A puder fazer, e acho que ganhei esse direito depois de 40 anos de amizade, gostaria apenas de te pedir uma prenda… ensinares me a deixar de sentir e de me importar tanto com as coisas e com as pessoas. Sabes não sei se vou viver mais ou menos do que aquilo que já vivi, mas tenho a plena consciência de que o iria fazer com muito mais facilidade.

No resumo? Obrigada por me ouvires nestes 40 anos de existência e por fazeres de mim o que sou, seja ele para o bem ou para o mal.

Namasté _()_

 

Tenho saudades tuas

5f3f60712a5a3e97a99d35db7fdfdee1Faz hoje 15 dias que te foste e ainda te procuro em todos os cantos da casa… sinto tantas saudades tuas meu amor que muitas vezes sinto que não cabe no peito a angustia de saber que nunca mais te vou ver.

Sei que para muitos será incompreensível a ligação que tinhamos, mas eras meu filho e sinto honestamente que perdi um bocado de mim.

Foram 17 anos de partilhas e alegrias… sempre estiveste do meu lado, a assistir aos meus mais loucos disparates e foste dos poucos que me viu chorar desalmadamente quando o peso do mundo se tornou mais forte do que aquilo que poderia suportar.

Amei os teus pais, mas foi a ti meu amor que ajudei a nascer, foi a ti que dei o sopro da vida quando colocaste os pés neste mundo e foi contigo que aprendi a amar um ser mais do que me amo a mim mesma.

Sinto que deveria passar para este meu diário uma infima homenagem a ti, pelo que foste e por aquilo que fizeste com que eu me tornasse… sou melhor porque tive o privilégio de te ter na minha vida e por isso te agradeço todos dos dias.

Sei que estavas cansado, que a força que tinhas todos os dias se esgotou e que finalmente te deixaste ir para descansar, sei que foi o melhor para ti, mas nós os humanos ainda não sabemos amar da forma como vocês amam e por isso não temos em nós o altruismo de vos saber deixar partir… mas sei que te amei com todas as forças do meu ser e que fiz por ti tudo aquilo que era humanamente possível…

Por isso meu amor obrigada… por tudo mas principalmente por me saberes ensinar a amar!

As saudades essas nunca vão morrer mas as memórias serão sempre de infindável alegria. Até um dia destes!

Namasté _()_

Antes de ter amado um animal, parte da nossa alma permanece desacordada.
Anatole France

 

 

 

In hoc mundi insanus

tumblr_static_tumblr_static_filename_640Sim eu sei que não ando fácil… que o meu sarcasmo está do pior… que a paciência é infima.

Sim eu sei que o mundo continua a girar e que nao se concentra no meu umbigo, nunca quis isso… nunca vou querer. A vida nunca foi fácil para mim e sinceramente nem saberia o que fazer se assim fosse.

As coisas são como são e cabe a nós, ou pelo menos a mim aceitar como são… se me custa ver que nós os portugueses nos mantemos neste chove e não molha de falsa modéstia e envergonhada servilidade custa, se posso fazer alguma coisa em relação a isso? Nada. Se isso implica que tenha de seguir o exemplo do meu povo medroso e receoso da grandiosidade que já uma vez teve, nem por isso.

Não é novidade para ninguém a relação amor/ódio que tenho pelos bancos (bancários incluídos), sim é verdade que existem sacanas, filhos de uma grande meretriz do sexo em qualquer lado ou instituição… seja ela bancária ou não… sim é verdade que existe pessoas como deve de ser nesses mesmos locais, mas não é menos verdade que eu tenho o condão de atrair em maior escala esses espécie que qualquer outro ser… não sei se é o meu perfume ou a minha intolerância a idiotas ou mesmo a minha incapacidade para gentinha com a mania de superioridade mas a verdade é que volta meia brotam tipo cogumelos a minha volta e eu nada mais posso fazer que lhes soltar os porcos.

Hoje fui até a CGD para fazer um depósito e assim que entrei pensei seriamente por segundos que tinha entrado numa qualquer repartição de finanças deste nosso país, pela primeira vez nos meus 39, a fazer 40 anos de vida entrei numa instituição bancária e tive de tirar senha para ser atendida ao balcão, fiquei sem saber se quando chegasse a minha altura se pedia um kg de vazia ou se lhes dava o dinheiro para o depósito. Sim verdade que a CGD é um serviço público (ou so they say), mas era preciso levarem isso ao pé da letra? Tirei a senha e sentei-me enquanto baixinho ia entoando um mantra já fazendo uma ideia do que viria a seguir. A forma como a caixeira/balconista/ou o que quer que a criatura seja ali, para com os clientes (sim porque não deixamos de ser clientes que usufrui de um serviço e paga por ele) é surreal, fez me lembrar os filmes que quando as pessoas dizem que estão afónicas os outros falam mais alto e pausadamete… como se o facto de estares afónico te tenha passado um atestado de burrice assolapada, tive sinceramente pena dos velhos que por ali estavam… sorriso vazio…explicações vãs… frete estampado no rosto… e até que a senha 008 foi chamada… era eu… levantei-me e preparei-me para o embate:

CGD: Bom dia
Utena: Bom dia, por favor vinha fazer um depósito. Está aqui é nesta conta deste talão.
CGD: O número de cima ou o de baixo?
U: O de cima têm os 4 primeiros digitos associados ao vosso banco?
CGD: Não…
U: Certo! Então a pergunta era excusada.
CGD: Valor do depósito.
U: X (sempre achei um disparate a pergunta, porque supostamente eles têm de contar, mas mantive a observação para mim)
CGD: O seu BI
U: Desculpe? Mas porque raio tenho de lhe dar o meu BI? Posso facultar o número de contribuinte se quiser.
CGD: Sem BI não há depósito. É assim em qualquer lado.
U: Não trouxe, e não é assim em qualquer lado, é assim aqui!
CGD: Não sei como funcionam os outros Bancos, mas deveriam pedir (tom de voz a elevar) aqui é assim e se não quer não faz!
U: Não sabe mas devia saber, ao menos aprendia a forma correcta de falar, estar e posicionar-se atrás de um balcão. Porque não mo pediu logo e me fez perder tempo? Tenho de voltar agora para ver a sua cara a tarde é isso?

Virei as costas e vim-me embora.

Aqui nem se trata de nos pedirem o CU para fazermos um depósito, aqui trata-se de estarmos tão habituados a dar que nem nos questionamos porque raio têm de saber o que fazemos com o nosso dinheiro. Porque raio temos de ser vigiados ao ponto de um depósito minimo ser registado com os nossos dados fiscais.

Batem tanto no peito com o 25 de Abril e a liberdade… o fim da censura a abolição do lapis azul e nem se apercebem que a PIDE não morreu… só mudou de nome. Continuamos receosos e bem mandados… fazemos o que nos mandam sem bufar e quando bufamos fazemos ao som de Grandola Vila Morena mal cantada acompanhada com uma sandes de courato e uma mini fresca.

Vergonhoso, é vergonhoso um banco público dar prejuizo e ter de ser financiado com os impostos que deveriam ser aplicados na educação quase nula de um país que de tão grandioso passou a mediocre. Pior que isso é saber que muito do que foi angariado a custa de choro e lamachice fácil para os que perderam tudo, foi lá enterrado também.

Mas a nós o que interessa é saber que vai haver greve dos árbitros e que no fim de semana não há jogo. Chega a ser tão ridicula a situação que atravessamos que se não fosse tão grave seria engraçada-

Não acordem e depois digam que vão tarde… no entretanto continuem a mostrar o CU de tão habituados que já estão, mais um bocado menos um bocado não faz diferença nenhuma.

O que não posso, porque não tenho esse direito, é calar-me, seja sob que pretexto for.
Sá Carneiro

Namasté _()_

 

 

Juro que tento

Havia um programa ainda a rádio cidade era rádio e não uma radiozita que tinha o nome de “perguntas idiotas, respostas cretinas“, e a realidade é que sempre tive tendência para perder a paciência com perguntas de circunstancia, das óbvias… do género estar 50º e a pessoa dizer: “está calor hoje não está?”, ou estar o diluvio na rua e chegares completamente encharcada e ouvires a típica: “esta a chover?”… acaba sempre por me dar a louca e atirar com uma resposta daquelas que origina o típico: “bolas não precisas responder assim”

Não tenho paciência ponto! Chamem mau feitio… má disposição… atitude de merda… não tenho paciência e mexe-me sobremaneira com o sistema nervoso.

Hoje fui ao ginásio pela manhã e como é habito, vai já para mais de 1 ano, salvo raríssimas excepções vou sempre com a minha mãe… obviamente que houve as perguntas praxe, que são normais e habituais e prezam pela boa educação tipo: “A mãe não veio?”, “Está tudo bem com a mãe?”… que respondi com a educação que mereciam… mas assim que me vieram com a tão óbvia ” então está sozinha?” não resisti e respondi com a expressão muito próxima a que esta acima:

Nós nunca estamos sozinhos… não sabia? (olhei para os lados) eles andam sempre a vigiar… sempre….sempre… se nos distraímos ainda nos agarram para testes e inserem chips…chips pequeninos no cérebro….

Peguei na toalha e sai…

E sim eu que devemos ter paciência, e que é segunda e que devemos ser afáveis e essas cenas todas mas a mim “eles ainda não apanharam para por o chip pequenino”

Namasté _()_

 

Que nunca nos faltem sorrisos

sorrisosTem sido um fim-de-semana atípico, estou habituada a dividir as minhas 11h de trabalho com a minha mãe, que é a minha melhor e mais confidente amiga.

11 horas numa loja é sempre desgastante, infelizmente hoje em dia não se está sempre com clientes e mesmo que tenha se quiser sempre algo para fazer, a verdade é que as vezes paramos e sentimos o peso do silêncio.

Verdade que nunca tive medo da solidão, aliás sou daquelas pessoas que necessita dela de quando em vez, mas é nestas alturas que me bate com mais força a certeza que a nossa raça não nasceu para viver sozinha, somos uma raça merdosa é um facto mas a realidade dos factos é que embora merdosa, servimos para fazer merda em comunidade.

Mais do que isso me capacito diariamente e não apenas nestes dias só, que desaprendemos de sorrir, andamos tão obcecados em viver, em ter, em ser melhor… maior… que descuramos a simplicidade que pode existir numa palavra de apoio, num sorriso cúmplice… num gesto desinteressado de compaixão.

Tenho a sorte de servir avós, mães e netas… de manter e criar clientes por anos a fio… por isso me dói quando as vejo partir ou quando entram na loja abatidas, com o fio da espada sobre a cabeça… hoje mais uma vez passei por isso… pelo murro que nos deixa sem ar no estômago enquanto ouvimos alguém que foi desenganado dizer:

“agora é viver até quando Deus quiser”

Mais que isso é ver o sorriso triste do seu companheiro de vida, enquanto sussurra de forma quase inaudível:

Gosto de a trazer aqui, pelo menos vocês ainda a conseguem fazer sorrir

Fico sempre com a ideia que se a nossa raça soubesse verdadeiramente o bem que faz um sorriso desprendido de interesse, teríamos muito mais qualidade de vida, infelizmente para uma raça tão preocupada em conquistar pela força o seu lugar neste planeta, este desejo será certamente mais um dos meus idealismos.

Pouca coisa é necessária para transformar inteiramente uma vida: amor no coração e sorriso nos lábios.
Martin Luther King

Namasté _()_

 

 

Há dias assim

Sabem aqueles dias que olham para o lado e nada vos faz sorrir? Aqueles dias que o sol brilha e até é domingo e até é suposto não haver motivo para te sentires exausta de tudo… de todos… mas que na realidade nem encher o peito de ar consegues para te aliviar a pressão que sentes na alma…

Aqueles dias que olhas para o lado e só vês mesquinha vontade de viver, sorrisos falsos, vontades frias… vivências inertes… aqueles dias onde metade do mundo acorda para te foder a cabeça e a outra metade nem acorda… naqueles dias que te apetece mandar tudo para o alto e dizer chega!

Estou assim… exausta da falsidade, inerte de vontade e cansada… muito cansada do mundo!

Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe.
Oscar Wilde

Namasté _()_

 

loudness

magazine

Pseudo

Para o que der e vier!

O estranho mundo de Dom

...um mundo igual a tantos outros ... ou não !

Divas em Apuros

Um espaço de convívio para verdadeiras Divas.